Para onde vão as aves das várzeas amazônicas quando a água do rio sobe?

12 de maio de 2024 | Tempo de leitura: 7 minutos

Por Anaís Prestes Rowedder 

Solta-asa-do-norte (Hypocnemoides melanopogon) no período de cheia dos rios, alimentando-se de uma aranha próximo à linha da água. Foto: Anaís Prestes

As várzeas amazônicas são florestas extremamente dinâmicas, devido à sua forte sazonalidade que é dada pela água, e não pelo clima. Isso acontece devido ao aumento do volume de água nos rios, que transbordam e inundam grandes áreas de florestas ribeirinhas todos os anos, transformando ambientes terrestres em ambientes aquáticos por vários meses. A vegetação nesse ambiente precisa ser adaptada às inundações, e muitas espécies de plantas regulam seus ciclos de vida de acordo com o ciclo dos rios.

Mesmo com as grandes mudanças no ambiente, há muitos animais terrestres, sem habilidades para a vida aquática, que se aventuram em viver nestes locais por toda a sua vida.

Mas assim como o ambiente é sazonal, o comportamento e uso do ambiente por estes animais também precisam ser sazonais. Então, sabendo que o ambiente permanece alagado por meses e que grande parte da floresta fica submersa e indisponível para animais exclusivamente terrestres, como essas espécies se adaptam e vivem nas várzeas amazônicas?

Para os aracnídeos, como as aranhas e opiliões, já há algumas respostas, e é incrível como cada espécie pode utilizar diferentes estratégias para sobreviver. Existem aranhas que possuem seu ciclo de vida sincronizado com o ciclo anual da inundação. Quando está seco, as aranhas colonizam o solo da floresta, alimentam-se e reproduzem-se entre as folhas caídas. Quando a água começa a subir, essas aranhas já estão no fim de sua vida, e são seus filhotes que permanecem na floresta, subindo nas árvores e ocupando o ambiente vertical disponível acima da linha da água. Nas árvores, os filhotes crescem e, quando a água começa a descer, eles recolonizam o solo assim como seus pais haviam feito. Há também um pseudoescorpião (também chamado de “falso escorpião”) que utiliza uma estratégia diferente. Ele habita o solo e lá permanece quando a floresta é alagada, no entanto, este pseudoescorpião regula sua fisiologia do corpo para permanecer em um estado de dormência na cheia, e volta a despertar no período seco.

As adaptações não se limitam aos aracnídeos, elas também foram observadas nas aves, um dos grupos mais biodiversos e estudados do mundo. No entanto, até pouco tempo não se sabia sobre as adaptações das aves a estes ambientes efêmeros das florestas de várzea. Embora seja fácil imaginar que as aves simplesmente poderiam deixar a região voando, na realidade, a complexidade é maior devido à grande diversidade de espécies de aves, o que implica em diversos comportamentos e hábitos de vida. Um caso que chama a atenção são as aves que se alimentam de insetos (insetívoras) e que vivem no sub-bosque da floresta, ou seja, em um estrato mais próximo ao chão da floresta. Para estas aves, espera-se que elas não consigam fazer grandes deslocamentos.

Fêmea de papa-formiga-de-sobrancelha (Myrmoborus leucophrys), uma das cinco espécies de aves insetívoras de sub-bosque estudadas na floresta de várzea. Foto: Anaís Prestes

Até então, o que se sabia é que espécies de aves insetívoras de sub-bosque são as mais sensíveis a mudanças do ambiente, principalmente as espécies que vivem em terra firme, um ambiente que não está sujeito a inundações. Essas espécies são as primeiras a desaparecerem da região quando há algum distúrbio no ambiente, muitas vezes evitando, inclusive, locais próximos à borda da floresta. Se essas espécies de aves são tão especializadas em viver apenas no sub-bosque da floresta, sendo sensíveis a bordas e mantendo-se longe do dossel, como se adaptam quando seu ambiente de preferência está inabitável?

Para entender isso, realizamos um estudo com cinco espécies de aves insetívoras de sub-bosque das áreas de florestas de várzea do baixo rio Purus.

Descobrimos que essas aves permanecem no ambiente mesmo no período da cheia, e a sua principal adaptação é a movimentação vertical na floresta, que ocorre do período da seca para cheia.

Ou seja, como a floresta é alta, há uma parte da vegetação que não fica submersa, então as espécies ocupam uma altura da floresta quando está cheio de água e outra altura quando está seco. Apesar dessa movimentação, cada espécie possui sua preferência em relação à altura em que habita na floresta, algumas mais altas e outras mais próximas da linha da água.

Mesmo com a movimentação vertical na vegetação, algumas aves procuram permanecer em locais com a vegetação do micro-habitat, o local específico dentro ambiente maior, muito parecido com as que habitavam na seca. E outras espécies podem se adaptar ainda mais, procurando habitar locais específicos com a vegetação mais densa e fechada na cheia, comparada com os ambientes mais abertos que preferem na seca.

Os resultados da pesquisa evidenciam que as aves de sub-bosque das várzeas são altamente adaptadas às grandes mudanças sazonais da floresta.

Quando a água sobe, o espaço vertical da floresta para as aves diminui. As aves se adaptam movendo-se verticalmente, procurando ocupar parte desse espaço disponível, algumas preferindo ficar próximas à linha da água, enquanto outras optam por áreas mais elevadas na vegetação. Juntamente com elas, muitos insetos do solo e dos troncos também se adaptam, movendo-se verticalmente. Isso pode ser vantajoso para as aves, uma vez que muitos desses insetos são suas presas. No entanto, há várias espécies ocupando um espaço menor, mas com a movimentação vertical dos insetos essas aves podem ter mais facilidade em encontrar alimento, já que durante a seca há mais locais de abrigo para esses insetos no solo da floresta.

Floresta de várzea na cheia com cigarras nos troncos das árvores próximo a linha da água. Foto: Anaís Prestes

Ciência se faz com parceria

O estudo apresentado neste texto é resultado da pesquisa realizada por Anaís Rebeca Prestes Rowedder durante seu curso de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ecologia, no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). A orientação foi realizada pelo professor Mario Cohn-Haft e co-orientação de Thiago Orsi Laranjeiras, também com a parceria do doutor Torbjørn Haugaasen e colega em campo Benjamin Gilmore. Esta pesquisa contou com o apoio financeiro do governo federal por meio da bolsa de mestrado do CNPq e da Faculdade de Ciências Ambientais e Gestão de Recursos Naturais (MINA) da Universidade Norueguesa de Ciências da Vida (NMBU).

Quer saber mais? Acesse os materiais abaixo!

Adis, J. 1997. Estratégias de sobrevivência de invertebrados terrestres em florestas inundáveis da Amazônia central: Uma resposta à inundação de longo período. Acta Amazonica, 27(1): 43–54. (acesse aqui)

Rowedder, A. R. P., Laranjeiras, T. O., Haugaasen, T., Gilmore, B., Cohn-Haft, M. 2021. Response of understory avifauna to annual flooding of Amazonian floodplain forests. Forests12(8), 1004. (acesse aqui)

Sobre a autora

Anaís Prestes Rowedder é bióloga pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), mestre em ecologia pelo INPA. Atualmente é bolsista de pesquisa com aves no Grupo de Pesquisa de Ecologia de Vertebrados Terrestres (Ecovert) no Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM).

Veja mais na Plataforma Lattes.

Leia também

A imagem mostra uma paisagem com chão batido e com vegetração degradada, com árvores esparsas e vegetação baixa.
Nova fronteira do desmatamento apresenta aumento nos registros de incêndios​
23 março, 2024
Por Débora Joana Dutra | Entre 2003 e 2019, uma área florestal equivalente a seis vezes o território da cidade de São Paulo foi devastada pelo fogo no Estado do Amazonas.
fig1a_mamangava_4x3
Mudanças climáticas ameaçam abelhas, aves e morcegos amazônicos
10 dezembro, 2023
Por Tereza Cristina Giannini | As mudanças climáticas já estão atingindo as populações humanas e a biodiversidade.
image meta
Nome de nova espécie de jupati é uma homenagem aos povos indígenas do Brasil
11 setembro, 2023
Por Cleuton Miranda, Arielli Machado, Yennie Bredin e Maria Nazareth Ferreira da Silva | Atualmente são reconhecidas 56 espécies de marsupiais no Brasil.
capa
História da Bacia Amazônica revelada por ratos-de-espinho
14 fevereiro, 2023
Por Cleuton Lima Miranda, Arielli Fabrício Machado e Izeni Pires Farias | O Brasil possui a maior diversidade de mamíferos do planeta (são 752 espécies conhecidas).
capa blog3
Sons no silêncio: ouvindo a biodiversidade subterrânea na Amazônia
31 dezembro, 2022
Por Leonardo Trevelin e Giulliana Appel | Compreender o mundo dos morcegos é desafiador. Difíceis de serem ouvidos, observados e capturados.
Figura 1 - Jamaraquá
Os micro-organismos de áreas inundáveis e sua importância num mundo em constante mudança
20 dezembro, 2022
Por Júlia Brandão Gontijo | As áreas inundáveis da região amazônica são conhecidas como grandes emissoras naturais de metano.
Figura1
Mudança de uso da terra na Amazônia e seus impactos sobre os microrganismos do solo
16 novembro, 2022
Por Andressa M. Venturini | Quando você pensa na Floresta Amazônica, qual é a primeira imagem que lhe ocorre?
Choeradodis_ProjetoMantis_ExpediçãoAustral_capa
Unindo ciência e arte, Projeto Mantis documenta e pesquisa a Amazônia à noite em busca de louva-a-deus raros
17 agosto, 2022
Por Leo Lanna | O trabalho de achar louva-a-deus é minucioso, demanda paciência, mas tem as mais belas surpresas.
capa
Os extremos climáticos e as florestas aquáticas da Amazônia
20 julho, 2022
Por Angélica F. Resende | A mais urgente das crises atuais é a mudança do clima pois já extrapolamos os limites da nossa atmosfera e estamos sofrendo as consequências.
capa
Adequação ambiental de propriedades rurais na Amazônia após 10 anos de Código Florestal
05 julho, 2022
Por Sâmia Nunes | A adequação ambiental visa a identificar e implementar ações necessárias para resolver irregularidades ambientais em propriedades rurais privadas.
pt_BRPortuguese